Câncer e sistema imunológico: a importância da microbiota

Câncer e sistema imunológico: a importância da microbiota

Câncer e sistema imunológico: a importância da microbiota

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), é inquestionável que o câncer é um problema de saúde pública, especialmente entre os países em desenvolvimento. É esperado que, nas próximas décadas, o impacto dessa doença agressiva na população corresponda a 80% dos mais de 20 milhões de casos novos estimados para 2025.

Entretanto o câncer é um tipo de doença que pode ser evitada a partir de mudanças no estilo de vida, visto que apenas 5 a 10% são provenientes de causas genéticas. A maior parte relaciona-se a fatores ambientais, sendo que a alimentação contribui com 35% de desenvolvimento. Já está bem esclarecido que a microbiota intestinal deve estar sempre em equilíbrio, pois o intestino deixou de ser reconhecido apenas como um órgão de digestão e absorção, assumindo um importante papel imunológico por sua participação na defesa contra as agressões do meio externo. A mucosa do intestino é exposta a uma ampla variedade de antígenos provenientes de alimentos, bactérias residentes e micro-organismos invasores, e por isso sua membrana deve estar intacta para evitar a passagem desses compostos à corrente sanguínea.

As bactérias intestinais são capazes de regular vários aspectos do sistema imune inato e adaptativo em virtude da produção de ácidos graxos de cadeia curta, sendo o trato gastrointestinal responsável por cerca de 60% do sistema imunológico. As múltiplas interações entre o epitélio, os receptores e os micro-organismos intestinais estão constantemente remodelando o sistema imunológico local e sistêmico, influenciando diretamente no processo de oncogênese através da supressão tumoral por meio de inativação de substâncias cancerígenas.

A modulação dietética da microbiota intestinal, evitando a ingestão de alimentos que estimulem a disbiose e inflamação intestinal, como excesso de gordura saturada, açúcar refinado, carne vermelha, bem como aumento no consumo de fitonutrientes, é uma eficiente estratégia para prevenir o aparecimento de diversos tipos de canceres e outras doenças metabólicas.

 

REFERÊNCIAS

BEDANI, R.; ROSSI, E.A. Microbiota intestinal e probióticos: Implicações sobre o câncer de cólon. J Port Gastrenterol., Lisboa, v. 16, n. 1, p. 19-28, 2009.

BRASIL. Instituto Nacional de Câncer – INCA. Estimativa 2014: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Inca; 2014

DENIPOTE, F. G; TRINDADE, E; BURINI, R. C. Probióticos e prebióticos na atenção primária ao câncer de cólon. Arq. Gastroenterol., São Paulo, v. 47, n. 1, p. 93-98, Mar. 2010.

LIU, Z. et al. Randomised clinical trial: the effects of perioperative probiotic treatment on barrier function and postoperative infectious complications in colorectal cancer surgery – a double-blind study. Aliment Pharmacol Ther., v. 33, n. 1, p. 50-63, jan. 2011.

MACHADO, F; LAZZARETTI, R; POZIOMYCK, A. Uso de Prebióticos, Probióticos e Simbióticos nos Pré e Pós- Operatórios do Câncer Colorretal: uma Revisão. Revista Brasileira de Cancerologia, v. 62, n. 4, p. 363-370,  2014.

SANDERS, M.E. Probiotics: considerations for human health. Nutr Rev., v. 61, p. 91-9, 2003.

WATZL, B; GIRRBACC, S; ROLLER, M. Inulin, oligofructose and immunomodulation. Br J Nutr, v. 93, suppl. 1, p. 49-55, 2005.

Deixe um comentário

Local do Evento

Centro de Convenções - Frei Caneca
Rua Frei Caneca, 569
www.convencoesfreicaneca.com.br/

Telefones

Atendimento ao Inscrito:
(11) 3473-1693 – Ramal 24

Atendimento ao Expositor:
(11) 3586-1764

Assessoria de Imprensa:
(11) 3586-9197 – Ramal 32

Mídias Sociais